Uso da internet atingiu 81% da população em 2020

Pesquisa mostra que o Brasil tem 152 milhões de usuários; crescimento de uso doméstico requer atenção com segurança digital

A quantidade da população brasileira que utiliza a internet aumentou em 2020, passando de 74% da população em 2019 para 81% no ano passado, o que representa 152 milhões de usuários acima de 10 anos. O crescimento do uso da rede de computadores foi maior nas classes econômicas mais baixas e impulsionado pela pandemia. Os dados são da pesquisa TIC Domicílios, realizada pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação, divulgada em agosto deste ano.

Type on the keyboard at home office

O levantamento mostra um aumento da proporção de usuários de internet na comparação com 2019, com mais força entre os moradores das áreas rurais – de 53% em 2019 para 70% em 2020; entre os habitantes com 60 anos ou mais (de 34% para 50%); no meio daqueles com Ensino Fundamental (de 60% para 73%); e entre as mulheres (de 73% para 85%). A pesquisa também revelou que o acesso tecnológico teve aumento, principalmente, nas residências das classes C e D/E. Na classe C, passou de 80% para 91%. E nas classes D/E de 50% para 64%. Porém, as classes mais altas, com maior escolaridade e mais jovens, ainda é a faixa com maior acesso à internet.

Segundo o estudo, houve um crescimento na quantidade de computadores nos domicílios: a porcentagem saltou de 39% em 2019 para 45% da população em 2020. O coordenador de Data Center e Administração de Redes do Instituto das Cidades Inteligentes (ICI), Elton Vinicius Rauh, comenta que a alta no número de equipamentos é consequência da necessidade de realizar algumas atividades em casa durante o ano de pandemia, em 2020. “Como diversas empresas migraram para o home office, houve uma procura maior por notebooks e computadores. Além disso, as crianças começaram a estudar em casa. Então, muitos pais precisaram se adaptar a essa nova realidade”, explica.

Segundo Elton, com um número maior de usuários e conectividade mais expressiva, é preciso estar atento às questões de segurança digital. “É sempre importante reforçar que é necessário cuidado no momento de acessar informações na internet. Os usuários devem evitar salvar suas senhas no computador. Além disso, a orientação é trocá-las periodicamente”, destaca. Ter atenção aos downloads e aos falsos e-mails e anexos também são recomendações do coordenador. “Verificar se o site é realmente confiável para que seus dados não fiquem desprotegidos. Atualizar o antivírus é um auxílio na segurança do computador também”, garante.

Com o maior acesso à internet entre crianças e adolescentes, recomenda-se que os pais também fiquem atentos ao uso da tecnologia pelos filhos. “Os pais precisam orientá-los sobre os riscos da divulgação de informações pessoais na internet. Também para que tenham cuidado com os sites que podem estar sendo acessados. Depende disso a proteção e segurança do aparelho. E lembrar de dialogar com a criança sobre os conteúdos e sobre com quem estão tendo contato na internet”, comenta.

Sobre o ICI

O ICI – Instituto das Cidades Inteligentes é uma organização criada em 1998, com atuação em todo o território nacional, referência em pesquisa, integração, desenvolvimento e implementação de soluções completas de TIC para a gestão pública. Mais informações: www.ici.curitiba.org.br.

Fonte: Central Press

Vaga de estágio em Atendimento

Vaga de Atendimento (estágio) na Dreamland Digital em São José dos Campos

Sobre

Criada em 2018, a Dreamland está junto de quem procura novas experiências, transformando a presença online de qualquer projeto através de estratégias digitais, planejamento e produção de conteúdo.

Objetivo da vaga

Fazer a ponte entre a agência e o cliente. Certificando-se dos andamentos dos projetos e tirando todas as dúvidas que o cliente pode ter.

Responsabilidades principais

Informar os clientes sobre andamento dos projetos;
Servir como canal de comunicação entre agência e cliente; e
Alimentar o gerenciador da equipe;

Requisitos

Estar cursando: jornalismo, publicidade e propaganda, propaganda e marketing, radio e TV ou áreas correlatadas;
Boa comunicação oral e escrita;
100% de disponibilidade para atuar no horário combinado;
Possuir acesso à internet;
Possuir computador ou notebook;
Vontade de aprender; e
Proatividade.

Dias de trabalho: de segunda a sexta-feira.

Horário de trabalho: serão 20h/semanais com horário a combinar.

Bolsa estágio: R$400,00.

Enviar currículo até dia 4 de outubro de 2021 às 18h.

Candidate-se por aqui

Vaga para analista de tráfego

Next busca Analista de Tráfego

Principais atividades:

• Entender melhor o público voltado à tecnologia;
• Otimizar as campanhas realizadas nas plataformas ADS (Google, Linkedin, Facebook);
• Aperfeiçoar a experiência do usuário no site;
• Mapear oportunidades de atuação dos nossos produtos/serviços.

Candidate-se por aqui

Coluna Propaganda&Arte

E quando a Propaganda não é o problema, mas sim o Produto?

Eu já trabalhei com diferentes perfis e tamanhos de empresas. Não tem problema você ser uma empresa pequena se você tem claro seus objetivos. O problema é quando você encontra uma empresa que não sabe responder algumas perguntas-chave como “quais são seus diferenciais?”, “quem são seus concorrentes?”, “como o cliente consome e decide consumir seu produto?”, dentre outras perguntas para um desenvolvimento básico de plano de marketing e, por consequência, um trabalho de marketing digital.

“Eu não tenho concorrente”

Todo mundo escuta isso alguma vez na vida quando trabalha com propaganda, estratégia ou negócios. A consultoria que realizo hoje me deu flexibilidade para lidar com esse tipo de “fato”, baseado 0% em dados e 100% em achismos. Nenhum produto é tão revolucionário a ponto de não ter concorrentes diretos. Concorrentes indiretos nem se fale. Eu sempre deixo bem claro que primeiro o empresário precisa arrumar a casa, entender seus objetivos, diferenciais percebidos pelo cliente e benefícios reais do produto. Não pode ser achismo. Eu até brinco: me mande diferenciais reconhecidos pelos clientes, me manda o print do cliente enaltecendo esse diferencial no seu WhatsApp ou nos comentários da rede social. Precisamos de dados!

Os 4 Ps mudaram no digital, você deveria mudar também

O Marketing nos pede que analisemos os 4 Ps, ou seja, Produto, Preço, Praça e Promoção de uma empresa para qualquer planejamento estratégico. Isso se mantém no digital e nas tecnologias novas.

O novo Produto

O seu produto não pode ser vendido pelo digital? Se você vendia livros impressos antes, agora temos e-books. Se você dá suporte técnico, pode oferecer vídeos com dicas e tutoriais?

O novo Preço

Se você recebia os pagamentos em dinheiro na loja física, talvez agora você precise gerar cupons, aceitar pix e até criptomoedas. Seu valor pode ser sua imagem, autoridade ou seu conteúdo. Já pensou nisso?

A nova Praça

O local que você está, sua praça, mudou. Um site bem feito, uma loja virtual, pode ser muito mais importante que dar aquele tapa na fachada da sua loja física. A sua nova cara é a rede social (seu perfil do Instagram, só para dar um exemplo simples).

A nova Promoção

E por último, precisamos entender que a Promoção evoluiu. Não fazemos tanto TV, mas temos muito conteúdo no Youtube. Não temos mais revistas em peso, mas os aplicativos oferecem espaços para divulgação direcionada pensando na geolocalização do cliente. As promoções de massa foram substituídas aos poucos por ações pontuais, direcionadas e personalizadas que só o digital pode fazer. Isso não quer dizer que as mídias de massa, como a TV, morreram. Prova disso é o sucesso de cases como da Globo com o Big Brother, mas até isso mudou, pode ter certeza, integrando ações nas redes sociais.

Você já pensou em quanto você pode evoluir os 4 Ps da sua empresa? Talvez começando pelo primeiro P de Produto?

Se o seu produto for um problema, não tem propaganda que resolva. Vamos arrumar a casa?